21/03/17

Litoral

À noite, no refúgio que me faço
Num mar de nuvens me descubro imerso,
Digo palavras tantas pelo espaço
E de cada palavra nasce um verso.

Se um braço estendo, já não é meu braço,
É qualquer coisa solta no universo;
Se me quero mover me despedaço
E em mim mesmo ficando estou disperso.

Surpreso, volto ao natural de em torno:
No quarto claro a luz me acaricia,
Tudo tem sua forma e seu contorno.

Daquele mar nocturno enfim liberto,
Deste, na praia ao sol vem a alegria,
Posso nele saltar de peito aberto.


Ribeiro Couto, Longe, p.133

Sem comentários: