28/06/12

É capaz de adivinhar o tema do próximo Bairro dos Livros? 


                                                    Num Monumento à Aspirina
                                                    Claramente: o mais prático dos sóis,
                                                    o sol de um comprimido de aspirina:
                                                    de emprego fácil, portátil e barato,
                                                    compacto de sol na lápide sucinta.
                                                    Principalmente porque, sol artificial,
                                                    que nada limita a funcionar de dia,
                                                    que a noite não expulsa, cada noite,
                                                    sol imune às leis de meteorologia,
                                                    a toda hora em que se necessita dele
                                                    levanta e vem (sempre num claro dia):
                                                    acende, para secar a aniagem da alma,
                                                    quará-la, em linhos de um meio-dia.
                                                    Convergem: a aparência e os efeitos
                                                    da lente do comprimido de aspirina:
                                                    o acabamento esmerado desse cristal,
                                                    polido a esmeril e repolido a lima,
                                                    prefigura o clima onde ele faz viver
                                                    e o cartesiano de tudo nesse clima.
                                                    De outro lado, porque lente interna,
                                                   de uso interno, por detrás da retina,
                                                   não serve exclusivamente para o olho
                                                   a lente, ou o comprimido de aspirina:
                                                   ela reenfoca, para o corpo inteiro,
                                                   o borroso de ao redor, e o reafina.

                                                           João Cabral de Melo Neto

6 comentários:

ana disse...

Ler é paliativo, será?

Beijinho, Cláudia!

Cláudia Ribeiro disse...

morno...
:)))

ana disse...

Ler faz bem à Saúde!
:))

Cláudia Ribeiro disse...

Continua morno.
:))
Beijinhos

MJ FALCÃO disse...

Que belo poema!!! E a imagem é única! Eu quero essas pastilhas pink do tal Doutor!
E já agora uma aspirina...

Cláudia Ribeiro disse...

Vou ver se arranjo, M.J., são milagrosos!!
Este vai ser o mote para o próximo Bairro dos Livros: «Ler é...»

Em breve desvendo.
Beijinhos.