11/09/12

NÃO ao silêncio!

Vladimir Maiakovski (1893-1930)

Na primeira noite, eles se aproximam
e colhem uma flor do nosso jardim.
E não dizemos nada.

Na segunda noite, já não se escondem,
pisam as flores, matam o nosso cão.
E não dizemos nada.

Até que um dia, o mais frágil deles, entra
sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua
e, conhecendo o nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.

E porque não dissemos nada,
já não podemos dizer nada.
 

Maiakovski



Bertolt Brecht (1898-1956)


Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro.

Em seguida levaram alguns operários
Mas eu não me importei com isso
Eu também não era operário.

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei.

Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.
Bertolt Brecht

8 comentários:

Isabel disse...

São dois textos muito bonitos e que nos fazem pensar.
Vivemos em sociedade e portanto tudo nos diz respeito e tudo nos afecta.
Uma sociedade melhor torna melhor a vida de todos. Mas nós esquecemo-nos disso.

Um beijinho

Cláudia Ribeiro disse...

É verdade o que diz, Isabel.
Hoje podem ser os outros os visados, mas amanhã podemos ser nós. Temos que ser solidários e fazer ouvir os nossos protestos, o nosso inconformismo. Lutar pelos nossos direitos.
Vão-nos tirando tudo...

ana disse...

Cláudia,
Rendo-me à beleza dos versos e faço uma vénia de "NÃO ao silêncio".

«pisam as flores, matam nosso cão»
e nós não dizemos nada...:(
Merecemos,
«E porque não dissemos nada
já não podemos dizer nada»...

Quer Maiakovski quer Brecht foram umas boas escolhas.
Parabéns!
Beijinho.





Cláudia Ribeiro disse...

Ana, achei-os tão actuais, tão verdadeiros, assustadoramente verdadeiros.
Diz o ditado:
"Quem cala, consente".
Diz bem, têm muito a ver com a realidade dos nossos dias.
Obrigada.
Beijinhos.:))

www.amsk.org.br disse...

Esses dois poemas estão sempre conosco, são muito representativos quando analisamos as grandes tragedias atuais dos ciganos e dos não ciganos.

Meu maior medo sempre foi a omissão e a covardia.

bjs meus amiga.

Cláudia Ribeiro disse...

Amigas, infelizmente ainda há muito disso um pouco por todo o lado. Mas é algo que está a mudar, pois o número de pessoas afectadas
está a crescer e não é possível ficar indiferente.
Tenho esperança que a mudança esteja para breve.
Um beijo para todas.

MJ FALCÃO disse...

Versos e palavras que contam! Tudo pode voltar a acontecer,e acontece, infelizmente. Basta olhar os jornais, ver em que vão "descambar" atitudes que parecem inofensivas, de início.
A loucura do norueguês nazi, as perseguições ao estrangeiro, a intolerância religiosa, ou que se passa depois das "primaveras" árabes & etc.
Temos que nos importar...
beijinhos

Cláudia Ribeiro disse...

É isso mesmo, MJ, temos de nos importar!!
Hoje pode não ser connosco, mas amanhã vai ser de certeza! Cada vez são mais as pessoas afectadas por algum tipo de descriminação, de injustiça.
Onde está a solidariedade, o humanismo?
Ficar indiferentes é que não.
Obrigada pela visita.
Beijinhos.